Home seta Artigos seta Ensinar a Aprender - reflexões de Carlos Aberto Júlio

Enquete

A maior dificuldade para ensinar alguém a aprender é:
 

Quem está online?

Ensinar a Aprender - reflexões de Carlos Aberto Júlio PDF Imprimir E-mail

A sabedoria de cada um

Carlos Alberto Júlio

Hoje quero explorar um pouco mais a questão do aprendizado individual, já que nada nos parece mais moderno na empresa de hoje que a gestão do conhecimento e este, por sua vez, começa na aptidão de cada um de nós para aprender. Existem quatro estágios ou níveis de aprendizagem: o estágio da ignorância, da consciência, da arrogância e o da sabedoria. O primeiro estágio, o da ignorância, é aquele em que eu não sei e não sei que não sei. Complicado? Nem um pouco. Vamos exemplificar com a criança que ainda não sabe andar. Não sabe porque ainda não aprendeu, mas, sentada no chão da sala, ela observa que os adultos a sua volta levantam-se sem esforço do sofá e saem caminhando. Como ela não tem consciência de que não sabe andar, ela tenta se levantar e, ao fazê-lo, cai.
Ela é inconscientemente ignorante. Ao tentar várias vezes, caindo e se machucando, ela começa a perceber que aquele ato que parece tão fácil aos adultos não é do seu domínio. Nesse exato momento, começa a entrar no segundo estágio, começa a ter a consciência de sua ignorância, pois agora ela sabe que não sabe andar. Esse é o passo mais importante no processo de aprendizagem: quando assumimos que não sabemos, nos abrimos para a aprendizagem. É quando a criança começa a escorar-se nos sofás, mesas e móveis da casa para ficar de pé e começa a dar seus primeiros passos rumo ao equilíbrio. Agarra-se às nossas pernas e caminha junto, de mãos dadas.
De repente, como que num passe de mágica, a criança se percebe andando só, sem ajuda de ninguém. Fica orgulhosa, mostra a todos sua proeza, com o narizinho empinado, pois agora ela sabe e, mais importante, ela sabe que sabe. Esse é o estágio mais perigoso do aprendizado. Ao supervalorizarmos o que sabemos, somos levados à soberba e à arrogância, não compartilhamos o que aprendemos, nos sentimos superiores e, o pior, corremos o risco de parar de aprender, o que nos levará novamente ao estágio da ignorância já que o saber não renovado é cada vez mais perecível.
Finalmente, a criança, como qualquer adulto, tem no seu ato de andar, algo cotidiano, rotineiro: anda, corre, dança e tudo isso é absolutamente normal. Ela acaba de atingir o quarto estágio: ela sabe e não tem a menor importância que ela sabe. É o conhecimento aplicado à vida. É – como disse no artigo anterior – a sabedoria, quando todo o conhecimento é aplicado para melhorar a minha vida, a vida dos meus familiares, amigos... Para a produtividade de nossas organizações, também podemos aplicar os estágios da aprendizagem. A vida toda estaremos, para cada tema ou situação especifica, em um dos estágios acima. O atalho para aprender novas idéias é admitir o que não sabemos para, imediatamente, ir ao aprendizado.

* Carlos Alberto Júlio é presidente da HSM do Brasil, vice-presidente do Conselho de Administração da Tecnisa, professor, palestrante e autor dos best-sellers: Reinventando Você!, A Magia dos Grandes Negociadores e seu mais recente sucesso, A Arte da Estratégia. Graduado em Administração de Empresas com especialização na Harvard Business School e no IMD de Lausanne-Suíça, Júlio é professor na USP, ESPM e FGV.
Site: www.carlosjulio.com.br / e-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email .

 



Compartilhe com:
Facebook!twitter
 
< Anterior   Próximo >